Imprimir
Representatividade feminina na política é tema de palestra no TRE-RJ

09/03/2020 - 16:50

Representatividade feminina na política é tema de palestra no TRE-RJ

Na manhã desta segunda-feira (9), as participantes do seminário "Mulheres Eleitoralistas 2" traçaram um panorama da presença feminina no cenário político nacional, ressaltando que a baixa representatividade nas casas legislativas reflete na construção de políticas públicas. Participaram da mesa debatedora a diretora da EJE-RJ, desembargadora eleitoral Cristiane Frota, a vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Rio de Janeiro (OAB-RJ), Ana Tereza Basílio, a desembargadora eleitoral Kátia Junqueira, a desembargadora estadual Myriam Medeiros, a procuradora regional eleitoral Silvana Batini, a desembargadora eleitoral do TRE-SP Maria Cláudia Bedotti e a advogada e presidente da comissão de Direito Constitucional da OAB-RJ, Vânia Aieta. 

O vice-presidente e corregedor regional eleitoral, Cláudio Dell`Orto abriu o evento, que foi mediado pelo advogado e presidente da Comissão de Justiça Eleitoral da OAB-RJ, Márcio Vieira. A desembargadora eleitoral Maria Cláudia Bedotti utilizou dados de uma análise feita pela União Parlamentar, organização internacional de parlamentos, que mostra que o Brasil ocupa a 140ª posição num ranking de 193 países que mede o percentual de cadeiras ocupadas por mulheres nas casas legislativas, ficando atrás de países como Arábia Saudita. "A manutenção de políticas afirmativas, como a cota de gênero nas candidaturas, é importante para mudar esse cenário", afirma a desembargadora. 

A defesa da cota de gênero e a contestação ao argumento de que as mulheres não se interessam por política fez parte das palestras da desembargadora eleitoral Kátia Junqueira, da vice-presidente da OAB-RJ, Ana Tereza Basílio, e da procuradora regional eleitoral, Silvana Batini. No entanto, elas ressaltaram que esse tipo de medida somente será efetiva após uma mudança no ambiente social do país. "No Brasil, as mulheres ainda são hostilizadas por suas opiniões. Casos recentes, como os ataques às jornalistas Patrícia Campos Mello e Vera Magalhães, mostram que muita coisa precisa ser mudada para que elas sintam-se seguras para ingressar na política", defende a Silvana Batini. A advogada Vânia Aieta acompanhou as outras debatedoras salientando que "a educação é a base para a isonomia entre homens e mulheres". 

A desembargadora estadual Myriam Medeiros lembrou a trajetória de sua mãe, a advogada Romy Martins Medeiros da Fonseca, e destacou sua importância na conquista da cidadania civil das mulheres. A diretora da EJE-RJ, desembargadora eleitoral Cristiane Frota, encerrou o encontro abordando o tema das mulheres encarceradas no Brasil. A íntegra da palestra está disponível na página do TRE-RJ no Facebook.